CÂIMBRAS

As câimbras musculares continuam sendo um problema, muitas vezes ocorrendo quando menos se espera, e acarretando complicações cuja gravidade depende da situação em que o indivíduo se encontra. Em um atleta ela é responsável, quando aparece, pelo afastamento imediato da competição.
Por ser um episódio que incapacita momentaneamente o atleta, sua incidência é extremamente temida e significa naquele momento o “fim do dia”.

caimbra

Na realidade as câimbras não acometem somente os atletas, representando inclusive um grande perigo para quem se encontra, por exemplo, em uma praia, sujeito a ser “puxado” pela correnteza do mar. Em muitos casos de salvamento de “quase afogados” constatou-se que a causa do problema havia sido um episódio de câimbras. Sua etiologia continua sendo controversa, surgindo frequentemente novas hipóteses para o seu aparecimento.

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Cape Town na África do Sul publicou um artigo científico de revisão sobre o assunto. Neste artigo as causas das câimbras foram abordadas de uma maneira interessante e esclarecedora. Segundo os autores, existem quatro diferentes teorias para as causas das câimbras:

1ª) teoria metabólica: neste caso ocorreriam neste caso ocorreriam cãibras quando o músculo se torna “intoxicado” por metabólitos provenientes da atividade contráctil, como por exemplo o tão conhecido ácido láctico.
2ª) teoria da desidratação: a perda de água pelo suor provoca um desequilíbrio nos fluídos corporais que interfere no processo contráctil dos músculos, provocando sua contração espástica. Vale lembrar que na praia no verão, é muito comum ocorrer perda excessiva de água pelo suor, que é agravado pelo efeito diurético da ingestão do álcool.

3ª) teoria eletrolítica:
juntamente com a água perdemos através do suor uma certa quantidade de eletrólitos (sais). A falta destes eletrólitos pode comprometer o equilíbrio dos fluídos corporais, também desencadeando as dolorosas contrações das câimbras. Este é também um episódio para o qual o frequentador da praia no verão está mais suscetível.

4ª) teoria ambiental: neste caso o fator determinante é representado pelas modificações extremas de temperatura, principalmente as reduções acentuadas da temperatura, provocando constrição dos vasos sanguíneos e prejuízo de fluxo para os músculos desencadeando as câimbras.

Os autores ainda discutem um outro mecanismo, normalmente não considerado nas teorias anteriores que seria de origem neurológica provocado pela fadiga muscular e de mais difícil compreensão.

Em resumo, existem várias causas possíveis para as câimbras, sendo que podemos geralmente evitá-las principalmente tomando os cuidados de manter ingestão de líquidos, sais minerais e se possível, um bom condicionamento físico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>